sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS COMPLETARÁ 203 ANOS

Transcrito do site oficial do Corpo de Fuzileiros Navais (http://www.mar.mil.br/cgcfn/cfn/index.htm)
  
A Brigada Real da Marinha foi a origem do Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil. Criada em Portugal em 28 de agosto de 1797, por Alvará da rainha D. Maria I, chegou ao Rio de Janeiro, em 7 de março de 1808, acompanhando a família real portuguesa que transmigrava para o Brasil, resguardando-se das ameaças dos exércitos invasores de Napoleão. Dizia o Alvará: “Eu, a Rainha, faço saber aos que este Alvará com força de lei virem, que tendo-me sido presentes os graves inconvenientes, que se seguem, ao meu Real Serviço, e à disciplina da Minha Armada Real, e o aumento de despesa que se experimenta por haver três corpos distintos a bordo das naus e outras embarcações de guerra da Minha Marinha Real, quais são os Soldados Marinheiros: sendo conseqüências necessárias desta organização, em primeiro lugar, a falta da disciplina que dificilmente se pode estabelecer entre os Corpos pertencentes a diversas repartições: em segundo, a falta de ordem, que nascem de serem os Serviços de Infantaria e de Artilharia, muito diferentes no mar do que são em terra: e ser necessário que os Corpos novamente embarcados aprendam novos exercícios a que não estão acostumados. Sou servida mandar criar um Corpo de Artilheiros Marinheiros, de Fuzileiros Marinheiros e de Artífices e Lastradores debaixo da Denominação de Brigada Real da Marinha...”
 
O batismo de fogo dos Fuzileiros Navais ocorreu na expedição à Guiana Francesa (1808/1809), com a tomada de Caiena, cooperando ativamente nos combates travados até a vitória, garantindo para o Brasil o atual estado do Amapá. Nesse mesmo ano, 1809, D. João Rodrigues Sá e Menezes, Conde de Anadia, então Ministro da Marinha, determinou que a Brigada Real da Marinha ocupasse a Fortaleza de São José, na Ilha das Cobras, onde até hoje os Fuzileiros Navais têm seu “Quartel-General”.

 Após o retorno do Rei D. João VI para Portugal, um Batalhão da Brigada Real da Marinha permaneceu no Rio de Janeiro. Desde então, os soldados-marinheiros estiveram presentes em todos os episódios importantes da História do Brasil, como nas lutas pela consolidação da Independência, nas campanhas do Prata e em outros conflitos armados em que se empenhou o País.

Ao longo dos anos, o Corpo de Fuzileiros Navais recebeu diversas denominações: Batalhão de Artilharia da Marinha do Rio de Janeiro, Corpo de Artilharia da Marinha, Batalhão Naval, Corpo de Infantaria de Marinha, Regimento Naval e finalmente, desde 1932, Corpo de Fuzileiros Navais (CFN). 

**********************************************************************************
COMENTÁRIO DO EDITOR:

Comandante Souza Neto
Como baiano e Fuzileiro Naval,  devo lembrar que os integrantes da Brigada Real da Marinha não pisaram o solo brasileiro pela primeira vez em 7 de Março de 1808  -  data escolhida para comemorar a criação do CFN  - , mas em 22 de Janeiro de 1808, quando D. João desembarcou com sua corte, em Salvador. Na Bahia, em 28 de Janeiro, D. João baixou seu primeiro Decreto: a Abertura dos Portos às nações amigas.

Sou de opinião que a data de 22 de Janeiro de 1808,  na Bahia, deveria ser a de origem dos Fuzileiros Navais no Brasil.

2 comentários:

Francisco Claudio de Sousa disse...

Concordo com vossa visão literária.




ADSUMUS.

CLAUDIO FN.

Francisco Claudio de Sousa disse...

Concordo com vossa visão literária.




ADSUMUS.

CLAUDIO FN.

Postar um comentário

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, não serão publicados comentários que firam a lei e a ética.